Lavouras de soja no Rio Grande do Sul apresentam sinais de estresse hídrico

As plantas exibem sintomas de murchamento, expondo a face inferior das folhas em direção aos raios solares, causando queimaduras

08.02.2024 | 17:15 (UTC -3)
Adriane Bertoglio Rodrigues
Foto: Valmir Thume
Foto: Valmir Thume

Com 23% das lavouras de soja no Rio Grande do Sul na fase de enchimento de grãos, as chuvas, localizadas e desuniformes, associadas a elevadas temperaturas, trazem consequências negativas para o balanço hídrico da cultura e criam disparidades nas condições das lavouras. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado hoje pela Emater/RS, vinculada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), em regiões onde não choveu o suficiente, como no Noroeste do Estado, há sinais de estresse hídrico, que pode afetar o potencial produtivo. 

As plantas exibem sintomas de murchamento, expondo a face inferior das folhas em direção aos raios solares, causando queimaduras nessas partes. Observa-se também o início do processo de desprendimento das folhas mais baixas nas lavouras mais afetadas pelo déficit hídrico, as quais apresentam rápido amarelecimento e senescência.

Entretanto, nas áreas que receberam volumes pluviométricos mais significativos ou intermediários, a situação das lavouras de soja é satisfatória, com as plantas emitindo brotações, com estatura em conformidade com a fase fenológica em que se encontram, o que sugere resultados produtivos alinhados às projeções estabelecidas inicialmente.

Quanto ao manejo fitossanitário, a atenção principal tem sido direcionada à ferrugem-asiática. As altas precipitações no início do ciclo da cultura beneficiaram o desenvolvimento da doença. Apesar da baixa umidade nas últimas semanas, o que retarda o avanço da doença, permanece o monitoramento e a aplicação do protocolo de controle preventivo.

Milho – A colheita das lavouras de milho foi intensificada, favorecida pela estabilidade atmosférica, pela presença significativa de sol e pela elevação das temperaturas no transcorrer do dia. O decréscimo na umidade relativa do ar propiciou a colheita dos grãos, cujo teor de umidade varia entre 18% e 22%. Essa faixa é considerada adequada e tem resultado em menor quebra de grãos e em debulha mais eficiente na espiga. A área colhida evoluiu 11% e alcançou 52% da cultivada.

A produtividade do milho colhido é variável, e há relatos de lavouras de alta tecnologia com resultados superiores a 10 mil kg/ha. Em contrapartida, parte das lavouras em situações adversas, como a presença de cigarrinha, de doenças e com tecnologia mais limitada, apresentam produtividade de 3 a 5 mil kg/ha. Em termos gerais, é consenso que a safra será satisfatória, mas inferior à estimativa inicial projetada de 7.414 kg/ha. Além da redução na produtividade, a queda na cotação do produto é identificada como um dos principais desafios, chegando, em alguns casos, a não cobrir os custos de produção, mesmo diante de produtividades elevadas.

Não foram realizados novos plantios de milho no período, em decorrência do baixo teor de umidade no solo. As lavouras semeadas em períodos intermediários e tardios continuam a se desenvolver, evidenciando bons patamares produtivos, conforme a tecnologia empregada. Porém, ainda se esperam reposições de umidade em intervalos regulares.

Milho silagem – foram suspensos novos plantios, devido aos teores insuficientes de umidade nos solos, permanecendo implantados 97% da área projetada. Contudo, prosseguiu o processo de colheita e ensilagem de planta inteira, visando ao aproveitamento da massa vegetal em ponto ideal para a confecção do alimento conservado e para evitar uma eventual perda de qualidade. A área colhida supera 60% da extensão cultivada. A produtividade estimada é de aproximadamente 39 mil kg/ha, podendo haver redução em algumas regiões, onde os cultivos foram afetados por excesso de chuvas, ventos, pragas e moléstias.

Feijão 1ª safra - prosseguem as ações de manejo e cultivo das lavouras nas regiões Sul e Nordeste do Estado, assim como a colheita nas demais regiões produtivas. A projeção de rendimento está estabelecida em 1.775 kg/ha. Na região administrativa da Emater/RS de Ijuí, a colheita atingiu 99%, e o rendimento está próximo a 1.600 kg/ha. Em razão da baixa umidade no solo, a semeadura da 2ª safra ocorre apenas nos talhões com irrigação. Nas lavouras de sequeiro, já semeadas, observa-se germinação desuniforme em decorrência da escassez de umidade no solo.

Arroz - a semana foi de condições favoráveis para o desenvolvimento das plantas, especialmente em função dos dias de plena radiação solar, baixa umidade relativa do ar e ausência de chuvas, além das temperaturas moderadamente elevadas. A cultura apresenta desenvolvimento satisfatório, e os estágios predominantes são de florescimento e enchimento de grãos. As projeções apontam para produtividades consideradas normais. No entanto, há apreensão em relação à possível incidência de temperaturas extremamente elevadas, uma vez que valores superiores a 35 °C podem ocasionar a esterilização dos grãos de pólen, resultando em potencial diminuição na produtividade.

Os talhões encontram-se integralmente irrigados. A disponibilidade de água nos reservatórios é satisfatória e superior ao observado nas últimas três safras. Os rizicultores também prosseguiram com as adubações de cobertura e eventuais controles de doenças.

Na região administrativa da Emater/RS de Bagé, na Campanha, em Dom Pedrito, houve aumento de 10% na área plantada em comparação ao ano anterior, totalizando 33 mil hectares cultivados, sendo 55% em fase reprodutiva e 45% em fase vegetativa. Em Barra do Quaraí e Uruguaiana, prevê-se o início da colheita no final de fevereiro.

Olerícolas e frutícolas

Alho - na região administrativa da Emater/RS de Caxias do Sul, as condições climáticas estão favoráveis ao produto estocado nos galpões para a cura. Alguns produtores vêm praticando, de forma moderada, a toalete dos bulbos, visando futuras vendas. A qualidade e o rendimento das lavouras têm preocupado os produtores em razão do calibre abaixo do esperado, dos bulbos abertos, do alto índice de bulbilhos perfilhados (transformados em folhas) e do baixo peso específico. Diante desse panorama, os produtores estão com dificuldades de encontrar estoques de bulbos adequados para comprar e garantir os bulbilhos-sementes para a safra futura.

Uva - na região administrativa da Emater/RS de Frederico Westphalen, a colheita está praticamente encerrada, e a produtividade obtida de uva de mesa foi de 10.900 kg/ha, o que representa redução de 38% em relação à expectativa inicial. Para uva destinada à indústria, a produtividade ficou em torno de 17.400 kg/ha, redução de 29%. Além da diminuição significativa da produtividade, o excesso de chuvas comprometeu consideravelmente a qualidade da uva produzida. Nesse momento, os produtores realizam o manejo pós-colheita com tratamentos fitossanitários para manutenção da área foliar a fim de produzir reservas para a próxima safra. Também realizam adubação de reposição.

Compartilhar

Mosaic Fevereiro Marco 2024