Cafés do Brasil: no acumulado de doze meses, consumo interno chega a 21,7 milhões de sacas

Com a safra do ano-cafeeiro 2023 estimada em 55,07 mi de sacas de 60 kg, o consumo interno correspondeu a 39,4% da produção total

08.02.2024 | 16:59 (UTC -3)
Lucas Ferreira, edição Revista Cultivar

O consumo interno dos Cafés do Brasil, no acumulado de doze meses, especificamente no período de novembro de 2022 a outubro de 2023, atingiu um volume físico total equivalente a 21,67 milhões de sacas de 60kg. É o que indica o relatório Indicadores da Indústria, divulgado pelo Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café.

O referido consumo inclui 20,62 milhões de sacas de café torrado e moído, as quais equivalem a 95,1% desse consumo, e, adicionalmente, 1,05 milhão de sacas de café solúvel que representam 4,9% da demanda total interna. Com base nos dados, estima-se que o consumo per capita no país foi de 6,4 kg no período.

Como a safra do ano-cafeeiro 2023 foi estimada em 55,07 milhões de sacas de 60kg, constata-se que o consumo interno desse período correspondeu a aproximadamente 39,4% da produção total dos Cafés do Brasil. Dessa forma, tal performance do consumo registrou um ligeiro incremento de 1,64%, na comparação com o período anterior, que, no caso, foi de 21,32 milhões de sacas. Entretanto, como a safra do ano-cafeeiro anterior foi ligeiramente menor, em torno de 50,9 milhões de sacas, seu respectivo consumo interno, proporcionalmente, representou obviamente uma percentagem maior (41,9%) em relação à safra de 2022.

Neste mesmo contexto do consumo dos Cafés do Brasil no período analisado, a participação, em ordem decrescente, das cinco regiões geográficas brasileiras foi destaque. Assim, constata-se que o consumo da Região Sudeste, que foi o equivalente a 9,0 milhões de sacas de 60kg, correspondeu a 41,76% da demanda nacional, e que, na sequência, vem a Região Nordeste, com 5,82 milhões de sacas, consumo que equivale a 26,9% do total nacional.

Concluindo esse ranking, a Região Sul ocupa a terceira posição, pois o seu respectivo consumo de café atingiu um volume de 3,18 milhões de sacas, as quais representam 14,7% da demanda nacional; e que, a Região Norte, cujo consumo foi de 1,86 milhão de sacas (8,6%), se destaca em quarto lugar; seguida da Região Centro-Oeste, na quinta posição, com o consumo de 1,73 milhões de sacas, que representam aproximadamente 8% do total dos Cafés do Brasil consumido no período analisado.

Vendas da indústria

Conforme os dados dos indicadores da Indústria do Café divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), estima-se que as vendas da indústria de café no Brasil, em 2023, alcançaram o montante de R$22,9 bilhões, o qual registrou uma ligeira queda de 2,78%, caso tal performance seja comparada com a do ano anterior de 2022. A Associação atribui essa variação no faturamento da indústria de café à redução do preço do produto registrada nas gôndolas dos mercados do País. 

Nesse sentido, a Abic destaca que as categorias de cafés Gourmets e de cafés Superiores registraram quedas nos seus preços, respectivamente, de 10,71% e 11,78%. E, ainda, que o mesmo fenômeno foi registrado com os cafés Tradicionais e Extrafortes, que também tiveram queda de 10,21%, além de que os cafés em cápsula também registraram uma queda nos preços de venda aos consumidores equivalente a 7,76%. Em contrapartida, a ABIC destaca no seu relatório de avaliação que o preço médio dos cafés especiais teve aumento de 3,15%, caso sejam comparados os valores de venda de janeiro de 2023 com dezembro de 2023.

Compartilhar

Mosaic Fevereiro Marco 2024