Soja segue em tendência de baixa no mercado, aponta a Hedgepoint

A consultoria analisa o mercado de soja, que deu continuidade à tendência de baixa iniciada no mês passado na CBOT, atingindo a mínima de 4 anos

10.07.2024 | 14:18 (UTC -3)
Luciana Minami

De acordo com Ignacio Espinola, analista de Grãos da Hedgepoint, o fato ocorreu devido a uma onda de sobrevenda, após os relatórios de acreagem e de plantio dos EUA na semana passada. “Essa tendência de baixa se refletiu nos preços da CBOT, onde, no ano passado, nesse momento, estávamos observando uma média de 14,4 cts/bu, enquanto hoje temos uma média de 11,7 cts/bu”, diz.

Os agricultores americanos plantaram +3% a mais de soja este ano, aumentando a expectativa de uma colheita maior. Por outro lado, o relatório de área plantada foi divulgado na semana passada, apresentando uma redução na área de 86,5 milhões de hectares para 86,1 milhões de hectares. O período crítico de crescimento da safra é geralmente em agosto, portanto, ainda há alguma incerteza sobre a produção.

Agricultores dos EUA

“O agricultor norte-americano tem relutado em vender sua safra devido aos baixos preços. Ele está tentando manter e estocar os grãos para ganhar tempo e, com sorte, conseguir preços mais altos. Essa é uma tática comum para qualquer agricultor”, explica o analista.

Em junho, 48% da produção de soja dos EUA estava nas fazendas. Essa é a maior porcentagem para essa época do ano desde 2006 e significativamente maior do que a média de dez anos de 35%.

“Sua intenção é clara: reduzir a disponibilidade do produto, uma estratégia comum no mercado, poderá resultar em preços locais maiores. Contudo, a China tem sido mais ativa em buscar produtos brasileiros, comprando quase toda semana duas cargas de 55 mil toneladas”, observa.

“O mercado FOB atual está beneficiando os grãos brasileiros, apesar de estarmos entrando na última parte da janela de exportação da soja. Julho é o mês de mudança histórica em que o milho começa a ganhar espaço em detrimento da soja”, aponta.

A China tem tido um bom apetite pela soja brasileira este ano, pois está acumulando estoques para o caso de haver outra guerra econômica com os EUA (apoiada pela ameaça de Trump voltar à Casa Branca), também incentivada pelos bons preços FOB do Brasil.

“Esse aumento nos grãos de origem brasileira também reduziu o número de cargas que o gigante asiático compra dos EUA. Para que os EUA voltem a ser competitivos, especialmente nos últimos meses do ano, os prêmios americanos devem cair para que os preços continuem atraentes, ou os concorrentes devem aumentar os preços, o que geralmente acontece, considerando que nessa época do ano o Brasil e a Argentina estão exportando principalmente milho”, aponta.

Atividade dos fundos

Analisando o último relatório COT, há 140 mil contratos a descoberto, de acordo com a última atualização. Essa posição está fora de escala, considerando os últimos 5A mínimos/máximos, o que indica uma forte visão de baixa do mercado.

“Não seria uma surpresa que alguma realização de lucros estivesse ocorrendo durante a semana, o que poderia nos levar para mais perto da área de 30-50 mil posições vendidas, que é o mínimo considerando os últimos 5 anos”, afirma.

“Claramente, os fundos e os Gestores de Dinheiro acreditam que ainda há espaço para a queda dos preços de mercado, o que seria contrário aos interesses dos agricultores. Veremos quem está certo ou errado nas próximas semanas”, pondera.

Como conclusão, temos um mercado geral inundado de grãos. Os agricultores dos EUA estão segurando o físico com a esperança de que os preços possam aumentar e vendendo apenas o mínimo para manter a loja aberta.

Por outro lado, o Brasil está encerrando sua janela de exportação de feijão e iniciando a janela de milho, o que é uma ótima notícia para os EUA, pois eles podem começar a incluir as vendas de soja em sua carteira, especialmente depois de novembro.

Por fim, os fundos têm sido muito agressivos com sua posição vendida, e deve/pode haver alguma ação de realização de lucros na qual a posição deve ser reduzida. No momento, a posição vendida é muito grande e uma redução poderia ajudar os preços a se recuperarem.

“Na semana passada, atingimos a mínima de 4 anos e isso também pode funcionar como um nível de resistência por enquanto...Pelo menos até vermos qualquer outra notícia de baixa”, conclui.

Compartilhar

LS Tractor Fevereiro