Vendas de etanol hidratado crescem 92,91% em janeiro

No acumulado da safra 2023/2024, a moagem atingiu 645,38 milhões de toneladas, ante 542,83 milhões de toneladas registradas no mesmo período no ciclo 2022/2023

25.01.2024 | 15:13 (UTC -3)
Unica
Foto: divulgação
Foto: divulgação

A moagem de cana-de-açúcar na primeira quinzena de janeiro na região Centro-Sul totalizou 1,11 milhão de toneladas. Nesse mesmo período, no ano anterior, a quantidade processada foi de 439,83 mil toneladas. No acumulado da safra 2023/2024, a moagem atingiu 645,38 milhões de toneladas, ante 542,83 milhões de toneladas registradas no mesmo período no ciclo 2022/2023 – um avanço de 18,89%.

Dados do Centro de Tecnologia Canavieira registraram, para o mês de dezembro, um rendimento agrícola de 81 toneladas de cana por hectare, o que representa um aumento de 16% em relação ao mesmo período no ciclo de colheita passado. No acumulado da safra 2023/2024, o indicador atinge a marca de 87,6 ton/ha, frente a 77,2 ton/ha do ciclo 2022/2023.

Operaram na primeira quinzena de janeiro 25 unidades produtoras na região Centro-Sul, sendo dez unidades com processamento de cana, sete empresas que fabricam etanol a partir do milho e oito usinas flex. No mesmo período, na safra 22/23, operaram 16 unidades produtoras. Ao final da quinzena, duas unidades encerram a moagem, enquanto no acumulado já se contabilizam 245 unidades. No ciclo anterior, até 16 de janeiro, 247 usinas haviam terminado com seu período de processamento. Para a próxima quinzena, está previsto que mais quatro unidades produtoras encerarão a safra.

A qualidade da matéria-prima colhida acumulada desde o início da safra até a primeira metade de janeiro, mensurada em kg de ATR por tonelada de cana-de-açúcar processada, apresentou redução de 1,13% na comparação com o mesmo período do último ciclo agrícola, atingindo 139,55 kg de ATR por tonelada nesta safra.

Produção de açúcar e etanol

A produção de açúcar na primeira metade de janeiro atingiu 48,26 mil toneladas. No acumulado desde 1º de abril, a fabricação do adoçante totaliza 42,1 milhões de toneladas, contra 33,55 milhões de toneladas do ciclo anterior (+25,49%).

Na primeira quinzena de janeiro, 338,22 milhões de litros (+62,41%) de etanol foram fabricados pelas unidades do Centro-Sul. Do volume total produzido, o etanol hidratado alcançou 214,23 milhões de litros (+121,62%), enquanto a produção de etanol anidro totalizou 123,99 milhões de litros (+11,12%). No acumulado desde o início do atual ciclo agrícola até 16 de janeiro, a fabricação do biocombustível totaliza 31,79 bilhões de litros (+14,79%), sendo 19,01 bilhões de etanol hidratado (+19,41%) e 12,78 bilhões de anidro (+8,54%).

Da produção total de etanol registrada na primeira metade de janeiro, 83% foram provenientes do milho, cuja produção foi de 280,70 milhões de litros neste ano, contra 187,01 milhões de litros no mesmo período do ciclo 22/23 – aumento de 50,10%. No acumulado desde o início da safra, a produção de etanol de milho atingiu 4,89 bilhões de litros – avanço de 42,11% na comparação com igual período do ano passado.

Vendas de etanol

 Nos primeiros quinze dias de 2024, as vendas de etanol totalizaram 1,36 bilhão de litros, o que representa aumento de 49,33% em relação ao mesmo período da safra 22/23. O volume comercializado de etanol anidro no período foi de 510,94 milhões de litros – aumento de 8,47% – enquanto o etanol hidratado registrou venda de 851,68 milhões de litros – crescimento de 92,91%.

No mercado doméstico, as vendas de etanol hidratado na primeira quinzena de janeiro totalizaram 796,17 milhões de litros – variação de 83,46% em relação ao ano passado.  Apesar deste crescimento, as saídas em relação a segunda metade de dezembro indicaram queda de 9,5%. O menor ritmo observado era esperado em virtude do efeito sazonal negativo no consumo de combustíveis leves pelo qual tradicionalmente o mês de janeiro é caracterizado. A retirada de etanol anidro, por sua vez, foi de 478,53 milhões de litros – aumento de 5,49%.

Apesar desta cadência maior nas vendas no início do ano, o etanol hidratado segue ainda competitivo nas bombas em grande parte do território nacional. Dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostram que a relação de preços entre o hidratado e a gasolina, na última semana de 14/01 até 20/01, uma paridade de 61,3% e um diferencial de R$ 2,16 por litro. Essa elevada competitividade registrada nos últimos meses foi ratificada nos dados preliminares de consumo de combustíveis publicados pela ANP nesta semana. O volume consumido de etanol hidratado totalizou 1,88 bilhão de litros no País, e resultou em uma participação do hidratado de 24,2% no total consumido de combustíveis pela frota de autoveículos leves – maior índice nos últimos 21 meses.

No acumulado da safra 23/24, a comercialização de etanol soma 25,31 bilhões de litros, representando um aumento de 8,25%. O hidratado compreende uma venda no volume de 15,22 bilhões de litros (+13,41%), enquanto o anidro de 10,09 bilhões (+1,31%).

Mercado de CBios

Dados da B3, de 1º de janeiro até o dia 24, indicam a emissão de 2,66 milhões de créditos emitidos. Em posse da parte obrigada do programa RenovaBio há cerca de 35,19 milhões de créditos de descarbonização. Esse valor considera o estoque de passagem da parte obrigada em 2021 somada com os créditos adquiridos em 2022, 2023 e 2024, até o momento, subtraída a meta efetivamente cumprida referente ao ano de 2022.

Compartilhar

Mosaic Fevereiro Marco 2024