Pesquisadores apontam resistência de Tuta absoluta ao inseticida tetraniliprole

O estudo, realizado com 18 populações do norte da China, revelou resistência moderada ao inseticida

07.07.2024 | 18:05 (UTC -3)
Revista Cultivar

Pesquisadores chineses descobriram que alguns indivíduos de traça-do-tomateiro (Tuta absoluta) desenvolveram resistência a tetraniliprole. A praga ataca várias culturas solanáceas, incluindo tomate, pimentão e batata. O estudo, realizado com 18 populações de T. absoluta do norte da China, revelou uma resistência moderada ao inseticida. A população de Huailai apresentou resistência 36,2 vezes maior em comparação com a cepa suscetível YN-S.

A aplicação de inseticidas químicos é a principal medida utilizada para controlar pragas invasivas como a Tuta absoluta. No entanto, o uso sem critérios desses produtos resultou no desenvolvimento de resistência a muitos pesticidas comuns, como organofosfatos, piretroides e outros. Na China, populações da praga em Yunnan e Xinjiang já mostraram resistência moderada a inseticidas como espinosade e indoxacarbe.

Os inseticidas diamídicos, como o tetraniliprole, foram introduzidos como uma nova esperança para o controle de pragas resistentes. Esses inseticidas atuam nos receptores de rianodina dos insetos, causando liberação descontrolada de cálcio, paralisia muscular e morte. O tetraniliprole mostrou eficácia significativa contra várias pragas agrícolas. No entanto, o estudo revelou que a população de Huailai de Tuta absoluta desenvolveu resistência moderada ao tetraniliprole, além de resistência cruzada a outros inseticidas diamídicos como clorantraniliprole e flubendiamida.

Resistência a inseticidas

O primeiro caso de resistência ao clorantraniliprole na China foi relatado em 2012, em uma população de Plutella xylostella coletada em campo. Desde então, foram relatados casos de resistência moderada a alta a diamídicos comerciais, como clorantraniliprole, flubendiamida e ciantraniliprole, em espécies como Spodoptera exigua, Spodoptera litura e Chilo suppressalis. Em 2017, Tuta absoluta invadiu a China através da Região Autônoma Uigur de Xinjiang. Pesquisas recentes mostraram que populações de campo de Tuta absoluta de Xinjiang exibem resistência significativa ao clorantraniliprole.

O tetraniliprole é um inseticida diamídico recém-registrado naquele país. Foi desenvolvido para controlar pragas agrícolas de múltiplas ordens de insetos em culturas como milho, tabaco, arroz e vegetais (ainda está em fase de registro no Brasil). Os cientistas chineses apontam que relatos recentes demonstraram eficácia significativa do tetraniliprole contra pragas notórias, como Spodoptera frugiperda e Agrotis ipsilon. No entanto, poucos resultados foram publicados sobre o desenvolvimento de resistência ao tetraniliprole em Tuta absoluta. A aplicação generalizada ou seleções sucessivas de tetraniliprole contra pragas lepidopteranas primárias, incluindo Cnaphalocrocis medinalis, C. suppressalis e S. exigua, poderia acelerar o desenvolvimento de resistência.

Resultados do estudo

Os pesquisadores monitoraram a suscetibilidade de Tuta absoluta ao tetraniliprole em 18 populações de campo do norte da China. A população de Huailai mostrou resistência 36,2 vezes maior ao tetraniliprole em comparação à cepa suscetível YN-S. Testes adicionais revelaram que essa população também exibiu resistência cruzada ao clorantraniliprole (12,2 vezes) e ao flubendiamida (6,7 vezes), mas pouca resistência a outros inseticidas como broflanilide, espinosade, metaflumizone e indoxacarbe.

Análises genéticas indicaram que a resistência ao tetraniliprole na população HL é:

(a) autossômica (machos e fêmeas possuem a mesma chance de herdar os genes de resistência);

(c) incompletamente dominante (um único alelo de resistência, recebido de um dos pais, não é suficiente para conferir resistência completa ao inseticida);

(c) poligênica (a resistência é controlada por vários genes diferentes, cada um contribuindo um pouco. Essa característica gera grande variabilidade na população de insetos em relação ao nível de resistência, mesmo entre indivíduos da mesma espécie).

Além disso, explicam os cientistas, a atividade enzimática da P450 monooxigenase e da glutationa S-transferase foi significativamente maior na população resistente em comparação com a suscetível.

A P450 monooxigenase é responsável por metabolizar diversas substâncias, incluindo inseticidas; a glutationa S-transferase (GST) liga-se a moléculas de inseticidas e neutraliza suas toxinas, permitindo que o organismo do inseto as elimine com segurança.

Implicações e estratégias futuras

O desenvolvimento de resistência ao tetraniliprole por Tuta absoluta destaca a necessidade urgente de implementar estratégias eficazes de manejo de resistência. Uma abordagem prática é a rotação de inseticidas com diferentes modos de ação para reduzir a pressão seletiva sobre um único inseticida. Estudos genéticos e de resistência cruzada são essenciais para entender e retardar a evolução da resistência.

Aumentar a desintoxicação metabólica é um dos principais mecanismos de resistência a inseticidas em várias pragas. O estudo revelou que o tratamento combinado com piperonil butóxido aumentou a toxicidade do tetraniliprole, indicando que a desintoxicação por P450 desempenha um papel na resistência. A atividade enzimática elevada na população resistente sugere que a resistência ao tetraniliprole pode ser parcialmente atribuída à desintoxicação metabólica.

A descoberta de que a resistência ao tetraniliprole em Tuta absoluta é poligênica e incompletamente dominante sugere que a evolução da resistência pode ser lenta, mas persistente, tornando o manejo da resistência um desafio contínuo. É crucial que os pesquisadores continuem monitorando a suscetibilidade da praga e desenvolvendo novas abordagens de controle integrado de pragas.

Modo de ação do tetraniliprole

O tetraniliprol (tetraniliprole, C22H16ClF3N10O2, CAS 1229654-66-3, IRAC 28), um inseticida relativamente novo da classe das diamidas age, simplificadamente, da seguinte forma…

• Entrada: o tetraniliprole entra no corpo da praga através da ingestão ou contato.

• Alvo: o pesticida segue até os receptores de rianodina localizados nas membranas do retículo endoplasmático.

• Ligação: o tetraniliprole liga-se aos receptores de rianodina.

• Perturbação: a ligação do tetraniliprole aos receptores de rianodina perturba o delicado equilíbrio do fluxo de cálcio dentro das células. O cálcio, um sinalizador essencial para diversas funções celulares, fica desregulado, lançando a célula no caos.

• Paralisia: a desregulação do cálcio leva à contração muscular descontrolada e à paralisia. A praga fica sem poder mover-se, alimentar-se ou defender-se.

• Morte: sem a capacidade de realizar funções básicas, a praga sucumbe à falência múltipla de órgãos e morre.

O estudo completo pode ser lido em doi.org/10.1016/j.pestbp.2024.106019

Compartilhar

LS Tractor Fevereiro